sexta-feira, 15 de abril de 2011

CONTENTAMENTO



Uma Palavra interessante que fui ministrada nesta manhã:


CONTENTAMENTO



Deus tinha resgatado milagrosamente os israelitas da escravidão. Ele tinha aberto o Mar Vermelho para que eles pudessem escapar da perseguição do exército egípcio. Ele os conduziu, alimentou-os, deu-lhes água, e prometeu conquistar para eles uma terra onde manava leite e mel. Para uma nação que poucos meses antes não tinha esperança de jamais escapar das garras dos senhores egípcios, isso era bom demais para parecer verdade. Incrivelmente, contudo, este povo constantemente resmungava e se queixava quando andavam através do deserto. Eles nunca estavam satisfeitos com o que o Senhor tinha providenciado. Eles até se queixavam de que o alimento que o Senhor provia era enjoativo e lhe faltava a deliciosa variedade que eles tinham lá no Egito. Em mais de uma ocasião os israelitas desejaram voltar à terra da escravidão. De fato, uma vez até falaram do Egito como sendo a terra onde manava leite e mel e sugeriram que Moisés os estava conduzindo na direção errada (Números 16:13)! A constante queixa dos israelitas parec absurda. Depois de tudo o que o Senhor tinha feito por eles, deviam estar transbordantes de gratidão.

E quanto a nós? Vivemos em algo mais substancial do que tendas e temos mais variedade em nossa dieta do que maná e codorna. O Senhor proveu um meio de sermos libertados de uma servidão muito mais devastadora do que a escravidão física do Egito. Todos nós devemos estar contentes. "Grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento. Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele. Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes" (1 Timóteo 6:6-8). "Seja a vossa vida sem avareza. Contentai-vos com as coisas que tendes; porque ele tem dito: De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei" (Hebreus 13:5).
Contentamento com nossas bênçãos materiais
A Bíblia nos ordena que estejamos contentes com o que temos (Hebreus 13:5; Filipenses 4:11-12; Lucas 3:14). Uma falha em estar contentes leva a múltiplos problemas: queixa, aflição, inveja, ingratidão, cobiça, etc. Aqueles que não estão contentes compram coisas que não podem pagar e depois tentam conseguir uma maneira de pagar mais tarde (veja Provérbios 22:7). Os descontentes acham difícil o sacrifício pela causa de Cristo porque eles se vêem "injustamente" privados.

Pensamos que há um grande problema quanto a estar contente com nosso nível de prosperidade: "Não temos o suficiente... mas se conseguíssemos um pouco mais então ficaríamos contentes". Que mentira! Se não estou contente com o que tenho no momento, eu não ficaria contente (por mais do que um ou dois dias) com o dobro disso. O escritor de Eclesiastes foi claro: "Quem ama o dinheiro jamais dele se farta; e quem ama a abundância nunca se farta da renda; também isto é vaidade ... Todo trabalho do homem é para a sua boca; e, contudo, nunca se satisfaz o seu apetite" (Eclesiastes 5:10; 6:7). Contentamento material nada tem a ver com quanto temos; se tivesse, os israelitas teriam estado contentes e também nós. O contentamento depende de nossa atitude quanto ao que temos. Em vez de querer o que não temos e não podemos ter, precisamos aprender a querer o que temos.
Há boas razões para estarmos contentes com nossa prosperidade material.  É um modo de vida superior: "Melhor é um punhado de descanso do que ambas as mãos cheias de trabalho e correr atrás do vento" (Eclesiastes 4:6). Aqueles que estão sempre querendo mais tornam-se infelizes e, mesmo assim, raramente ganham o que estão buscando.  Temos o suficiente. Paulo disse que alimento e roupa eram tudo o que precisávamos (1 Timóteo 6:6-8). É verdadeiramente notável quantas coisas algumas pessoas esperam da vida. Pensamos que merecemos todas as coisas que estamos buscando? Quando nos compararmos com alguém como Paulo, ou como os israelitas no deserto, devemos envergonhar-nos de nossa insatisfação e estar determinados a apreciar e ser gratos pelas coisas que o Senhor nos tem dado.  Uma falta de contentamento é uma manifestação de cobiça, que é uma forma de idolatria (Hebreus 13:5; Efésios 5:5). Não estamos contentes porque temos desejos insatisfeitos, e os temos porque somos gananciosos.  Quando Deus está conosco, nada mais é importante (Hebreus 13:5-6). Pensaríamos que é absurdo se um homem que acabasse de ganhar um milhão de reais se irritasse por ter sido enganado em uns poucos reais, ou se irritasse muito por causa de qualquer coisa. A grande bênção de receber tanto dinheiro deveria tender a fazer com que outras frustrações se reduzissem a nada. Ter Cristo é muito mais do que ter um milhão de reais. Devemos estar contentes com ele, contentes até mesmo só com ele.
Contentamento com limitações pessoais
Todos os homens têm certas limitações pessoais. Elas podem ser limitações de capacidade, de educação, de ambiente, etc. Precisamos não permitir que estas limitações nos causem descontentamento. Em 2 Coríntios 12, Paulo sentia um doloroso espinho em sua carne. A natureza exata do espinho de Paulo é desconhecida, e como resultado, ela serve de excelente modelo para qualquer situação penosa que enfrentemos. Paulo orou três vezes para que o Senhor tirasse o espinho, mas o Senhor respondeu: "A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo. Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte" (2 Coríntios 12:9-10). Paulo reagiu adequadamente. Afinal, o Senhor em sua providência governa o universo. Se ele permite que alguma limitação pessoal nos aflija e lhe pedimos que a tire de nós e ele não tira, então precisamos nos lembrar de que o propósito de Deus é superior ao nosso.

O descontentamento com limitações pessoais leva a muitos erros. O homem com um talento, em Mateus 25, usou sua incapacidade como desculpa para não servir em nada ao senhor. Muitos pensam que se não podem fazer alguma grande coisa para o Senhor, não podem fazer nada mesmo. Alguns permitem que deficiências pessoais os levem a justificar seus pecados. Eles se sentem como se suas circunstâncias limitadas façam deles exceções para os mandamentos do Senhor. Outros sentem-se tristes consigo mesmos e murmuram e se queixam. Algumas pessoas até se tornam invejosas de outras que não têm a limitação com a qual elas sofrem. Mas desde que o Senhor é responsável por governar o universo, eu deveria estar contente e regozijar-me em qualquer situação, sabendo que ele é mais sábio do que eu.
Contentamento em nossas circunstâncias
Deus permite que os cristãos passem por circunstâncias frustrantes. Quando Paulo escreveu Filipenses 4:11-12 ele estava na prisão, e tinha estado por muitos anos. Mas ouça o que ele disse: "Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez". A prisão deve ter sido terrivelmente frustrante para um homem que passou sua vida viajando para visitar os irmãos e para desbravar novos territórios para o evangelho. Não obstante, ele declarava que sua prisão tinha feito o evangelho progredir ainda mais (veja Filipenses 1:12-20 para pormenores). Onde estivermos, podemos servir o Senhor. Precisamos nunca usar nosso ambiente como desculpa para o pecado.

A mais baixa classe social do Império Romano era a dos escravos. É difícil para nós que conhecemos somente uma vida de liberdade imaginar como seria degradante existir como propriedade pessoal de alguém. Contudo, Paulo escreveu: "Foste chamado, sendo escravo? Não te preocupes com isso; mas, se ainda podes tornar-te livre, aproveita a oportunidade" (1 Coríntios 7:21). Não é que devemos evitar tirar vantagem de oportunidades para melhorar nossas circunstâncias, mas sim que, quando isto não pode ser feito, não devemos nos afligir por isso. Afinal, o Senhor precisa de bons escravos cristãos. Lembrar o domínio soberano do Senhor deve ajudar-nos a descansar nele e deixar de atormentar-nos pelas limitações causadas por nossas circunstâncias (veja Romanos 8:28).
Evitar o contentamento espiritual
Há uma área na qual o contentamento precisa ser evitado: é nas coisas espirituais. Quando a igreja de Laodicéia decidiu sentar-se e descansar porque pensava que tinha tudo (Apocalipse 3:14-22), isso era um engano terrível! O contentamento espiritual é um sintoma de orgulho (Lucas 18:11-13). O homem com a atitude adequada sempre se verá ainda longe da meta e estará constantemente redobrando seus esforços para crescer (Filipenses 3:12-14; 2 Pedro 3:18).

Estamos contentes?
Os israelitas, no deserto, deviam ter apreciado tanto as bênçãos do Senhor que nenhuma queixa jamais passasse por seus lábios. Em vez disso, desejavam sempre mais e mais e logo ficaram chateados com o Senhor. Nós que vivemos melhor que numa tenda, comendo mais do que maná, e tendo água boa todos os dias, temos ainda menos razão para murmurar. Estamos contentes?

- por Gary Fisher

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

A Decisão de continuar...

A palavra que me faz olhar para esse novo ano com expectativa é DECISÃO!
Ela é oriunda de um verbo, e conseqüentemente uma ação!

Confesso a vocês que a mudança de um ano para outro, para minha rotina, sonhos e perspectivas não significaram muita coisa. Como muito de vocês sabem, retornei a Bahia em 2010, e considerei esse ano como uma transição, uma readaptação e uma conclusão: Deus me quer aqui esse tempo... Pude desfrutar de momentos muito intensos nos meus relacionamentos, e com Deus em tão nem se fala... Foi diferente, mesmo com a aparência de parecido, se é que você me entende? Experimentei situações que me trouxeram profundidade e maturidade em algumas áreas, lutei contra gigantes e vi Deus usando uma funda e algumas pedrinhas (simplicidade),pude conhecer uma pessoa muito especial, que tem caminhado comigo de uma forma única e surpreendente, meu namorado, um homem de Deus, passei por altos e baixos, e escolhi está constante, pequei, retrocedi em algumas posturas mas agradeço a Deus pelo seu grande amor e graça, que me permite arrependimento, pude ver promessas cumprindo em tempo oportuno,corri várias vezes para a ROCHA mais alta que eu(lugar que eu deveria está em todo o tempo!) mesmo que desesperadamente e lá encontrei abrigo,socorro em meio a minha angustia, teve horas que pensei em desistir, largar tudo e viver algo novo mas me encontrava sem coragem pois em algumas situações isso era apenas fuga(encobrir uma necessidade com um apaliativo, que mais tarde irá culminar na mesma crise), parei de escrever no meu diário três meses antes do ano terminar pois alegava que não acontecia nada de diferente e importante na minha vida(preciso de mais discernimento, é na crise que meu caráter se aperfeiçoa), a dança me foi tirada ou seja minha rotina e minhas “obrigações” corrigindo então eu tirei-a e estou com muita saudade, lutei contra o meu egoísmo e auto-suficiência pois foi um tempo de calar e considerar o outro superior a mim. E em meio a outras coisas que não recordo e outras que não acho conveniente compartilhar, eu caminhei e fiz historia!

Espero em Deus, com meu coração guardado, pois até o dia de hoje algumas circunstâncias não são favoráveis ao que meus olhos contemplam, mas eu DECIDO continuar, prosseguir adorando a Deus sobre todas as coisas, pois em meio ao caos que muitas vezes se instala (muitas vezes por permissividade e “convicções”) o MEU REDENTOR VIVE, E NÃO DESISTE DE MIM! Isso dá um novo sentido, rompe as trevas com luz e me faz a cada dia mais dependente do AUTOR E CONSUMADOR da minha historia.
Que a gratidão destrua a murmuração, que o amor construa e não fique nas páginas da Bíblia, que as ações glorifiquem a Deus e testemunhe da Sua grandeza aos homens, que a rotina seja adaptada de acordo com o que é eterno e não apenas com demandas sem planejamento e que as surpresas venham, que o choro venha com mais freqüência para que o riso tem mais significado,que as páginas da minha agenda exalem a necessidade de um Deus maravilhoso, que minha dança me deixe mais perto de Deus e O revele a homens,que o meu ministério que é a minha vida(propósito para que fui criada)seja aperfeiçoado por Deus...

Enfim um novo ano!
Enfim mais uma oportunidade...

Com amor
Polly Silva

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

...Aleluia ao Senhor Jesus...



Bom já faz um tempinho que não deixo minhas marcas por aqui... Imaginem então como não anda a minha rotina e até mesmo a disciplina de escrever, seja no meu diário pessoal, ou até mesmo pelos blogs, e-mails....

Mas que bom pertencer a um Deus de amor e misericórdia! Hoje, fui levada a passar por aqui, e compartilhar esse texto que me trouxe tanto significado, em meio a minhas escolhas...

Eclesiastes 1,(NTLH) onde:
“São estas as palavras do Sábio, que era filho de Davi e rei em Jerusalém.É ilusão, é ilusão, diz o Sábio. Tudo é ilusão.A gente gasta a vida trabalhando, se esforçando e afinal que vantagem leva em tudo isso?Pessoas nascem, pessoas morrem, mas o mundo continua sempre o mesmo.O sol continua a nascer, e a se pôr, e volta ao seu lugar para começar tudo outra vez.O vento sopra para o sul, depois para o norte, dá voltas e mais voltas e acaba no mesmo lugar.Todos os rios correm para o mar, porém o mar não fica cheio. A água volta para onde nascem os rios, e tudo começa outra vez.Todas as coisas levam a gente ao cansaço - um cansaço tão grande, que nem dá para contar. Os nossos olhos não se cansam de ver, nem os nossos ouvidos, de ouvir.O que aconteceu antes vai acontecer outra vez. O que foi feito antes será feito novamente. Não há nada de novo neste mundo.Será que existe alguma coisa de que a gente possa dizer: “Veja! Isto nunca aconteceu no mundo”? Não! Tudo já aconteceu antes, bem antes de nós nascermos.Ninguém lembra do que aconteceu no passado; quem vier depois das coisas que vão acontecer no futuro também não vai lembrar delas.Eu, o Sábio, fui rei de Israel, em Jerusalém.E resolvi examinar e estudar tudo o que se faz neste mundo. Que serviço cansativo é este que Deus nos deu!Eu tenho visto tudo o que se faz neste mundo e digo: tudo é ilusão. É tudo como correr atrás do vento.Ninguém pode endireitar o que é torto, nem fazer contas quando faltam os números.E pensei assim: “Eu me tornei um grande homem, muito mais sábio do que todos os que governaram Jerusalém antes de mim. Eu realmente sei o que é a sabedoria e o que é o conhecimento.”Assim, procurei descobrir o que é o conhecimento e a sabedoria, o que é a tolice e a falta de juízo. Mas descobri que isso é o mesmo que correr atrás do vento.Quanto mais sábia é uma pessoa, mais aborrecimentos ela tem; e, quanto mais sabe, mais sofre.”

E meu grito de alegria, é de poder confiar os meus esforços naquilo que com certeza, estão produzindo frutos eternos e significativos! Longe de mim achar e reconhecer isso por conta do lugar em termos "eclesiásticos" que estou, mas por reconhecer que estou num lugar em obediência e submissão a Deus, e não muitas vezes ao que parece ser por conta da falta de visão! Posso sim desfrutar de um tempo OPORTUNO de DEUS, para MINHA VIDA!

Aleluias ao Senhor...

Poliana Silva
(http://www.youtube.com/watch?v=GrBSm_my-bo)
video

quarta-feira, 7 de abril de 2010

Um grito, em relação a cobrança a lideres!

Olá pessoas, resolvi compartilhar algo bem interessante que li esta manhã, isso é um grito, espero que sejam ministradas e revejam seus conceitos.....

Teologia do sorvete



por Marcos Soares


Amigos, não vos assusteis. Não é uma nova unção nem um modismo repentino que assolará a vossa terra. Trata-se apenas de uma conversa com um grande amigo, que me fez refletir sobre algumas coisas importantes na vida de um cristão, que o tempo, a correria, o envolvimento ministerial e a falta de vigilância acabam por solapar e subtrair de nossa curta experiência.
Você já reparou que quanto mais envolvido está no ministério da sua igreja menos tempo você tem para investir nos relacionamentos pessoais? Não é uma espécie de contrassenso que o mesmo Corpo que nos aproxima e nos faz UM pode ser, ao mesmo tempo, um elemento de nos afastar uns dos outros? Veja, encontramos nossos amigos da igreja no final de semana. Durante o culto, obviamente, não é o momento para conversas particulares. Depois dele, todos estão correndo para a próxima atividade. Durante a semana temos tantas coisas para fazer, aulas, viagens, reuniões de trabalho, provas. Corremos para uma célula na quarta-feira, mas mal acaba o “amém” já estamos no automático, conversando uns com os outros sobre a última assembléia, o próximo congresso dos jovens, a próxima reunião do ministério, o programa do acampamento da Páscoa. Não sobra tempo para seguir o conselho de Pedro: “sejam todos fraternalmente amigos” (1 Pe 3:8).
Tenho amigos em muitas partes deste país. Alguns, levo meses ou anos para ter o privilégio de encontrar. Quando finalmente temos esta chance, nossas conversas, quase sempre, vão girar em torno de problemas de igreja, de desilusões, de desencantamentos e até mesmo de alegrias e vitórias no ministério. Poucas vezes paramos deliberadamente para ter apenas uma conversa sobre nós, nossa vida, nossa família, nossa amizade. É aqui que entra a proposta da Teologia do Pote de Sorvete.
Este amigo me propôs que da próxima vez que nos encontrarmos, vamos comprar um pote de sorvete de flocos da Kibon, pegar uma colher para cada um e degustar lentamente, enquanto falamos sobre tudo, menos sobre igreja. Os mais “espirituais” apressar-se-ão em apontar a frivolidade da sugestão. Acharão perda de tempo. Dirão que há coisa mais importante para se fazer, pois o tempo urge. Mas este meu amigo (que, por questão de segurança nacional, não posso ousar mencionar o nome) tem lá suas razões. Ele é um líder, um pastor de almas. As pessoas o procuram dia e noite sem parar. Ele está sempre rodeado de gente. Paradoxalmente, é solitário. Não tem com quem compartilhar suas fraquezas, temores, dificuldades. A maioria daqueles que o procuram talvez nem se dão conta, mas só o procura na roubada. Alguns nunca pediram seu conselho antes de tomar suas desastradas decisões, mas agora exigem que ele dê solução imediata para a quebradeira em que suas vidas se tornaram. Em poucas palavras, ele se sente desgastado, usado, abusado. Sente-se como uma laranja espremida, da qual só ficou o bagaço. Ninguém o procura para saber como ele está ou para lhe dar apoio. Ninguém está, de fato, interessado nele. Só há interesse naquilo que ele pode fazer, resolver, agilizar, autorizar, conduzir. Ele mesmo, sua pessoa, sua vida, são descartáveis.
Esta é uma duríssima realidade, que só pode ser compreendida por quem já passou por ela. Ouvi de outro amigo meu no campo missionário que a sua maior necessidade não era a financeira, apesar de saber que esta muito lhe afligia. Sua maior carência era justamente a de ter amigos por perto, que pudessem simplesmente emprestar-lhe dois ouvidos e um coração carinhoso.
Líderes são pessoas de quem se exige tudo, até mesmo a perfeição. Na igreja, são aqueles a quem a gente paga para fazerem o que não estamos dispostos a fazer. Lideres são servos, é verdade. Eles servem a Deus servindo aos homens. Também é verdade. Mas nem por isso precisamos usá-los como fazemos com máquinas de lavar roupas. Ninguém se importa com uma máquina dessas. Elas ficam no lugar mais escondido da casa, normalmente no fundo do quintal em um quartinho escuro. Tudo o que queremos dela é que limpem a sujeira. Enchemos até a boa, colocamos um sabãozinho e zarpamos fora, reclamando inclusive do barulho que ela faz enquanto não acaba o serviço.
Experimente uma hora dessas se aproximar daqueles de quem você exige tão alto desempenho em seu cristianismo, só com um pote de sorvete, duas colheres, dois ouvidos e um coração. Não os procure para falar de modelos de gestão, do cumprimento da profecia, nem do comprimento da roupa. Evite, pelo menos enquanto o sorvete não acabar, mencionar as dificuldades do irmão fulano ou da irmã beltrana. Esqueça, por um pouco, o orçamento apertado que não permite a troca do equipamento de som. Releve a indignação com a mudança no horário das reuniões do seu filho adolescente. Apenas desfrute o sorvete enquanto mostra a seu líder, discipulador, pastor ou simplesmente amigo o quanto você se interessa por ele, por sua vida, por sua família, por seu bem-estar. Demonstre, ainda que em silêncio, o apreço que tem por tê-lo no rol de seus amigos. Faça-o perceber que não está ali por obrigação ou por dever de ofício, mas porque gosta dele.
E terás um tesouro no céu.

Fonte: http://vai.la/Jik
Site do irmãos. Com

quinta-feira, 18 de março de 2010

Caminhando eu vou, rumo a algo ainda maior, e pelo caminho percebo a fidelidade de Deus e seus atributos!Esqueço das coisas que para trás ficam e prossigo na certeza de que sou escolhida por Deus, para uma grande missão!
Que venha os desafios;
Que venha os confrontos;
Que venha a perseverança;
Que venha a ousadia;
Que venha a sabedoria;
Que venha o pastoreio e o discipulado;
Que venha os presentes;
Que venha as inesqueciveis viagens;
Que venha as calorias;
Que venha a satisfação;
Que venha as mensagens/e-mails;
Que venha as crianças;
Que venha o serviço;
Que venha o ensino;
Que venha os questionamentos;
Que venha as escolhas;
Que venha o aprendizado;
Que venha as lágrimas;
Que venha a integridade;
Que venha a identidade;
Que venha o amor;
Que venha as festas;
Que venha a saudade;
Que venha a dança;
Que venha a solitude;
Que venha o diário;
Que venha os sedentos por Deus;
Que venha os temperamentos diferentes;
Que venha a convicção;
Que venha os amigos;
Que venha os projetos;
Que venha os estudos;
Que venha a gratidão;
Que venha os relacionamentos;
Que venha o "emprego"....

E que eu permaneça Fiel a Deus em todo o processo!

quinta-feira, 11 de março de 2010

Uma Palavra de uma pessoa especial....


Eu li esse post no Blog de uma pessoa muito especial,referencial na minha vida...


“Eles entraram pelos portões do CTMDT com sorrisos largos, olhos curiosos, corações apaixonados e muitos… Muitos sonhos!Com o passar dos dias, alguns sorrisos se transformaram em lágrimas de saudades, ou quebrantamento. A curiosidade deu lugar à certeza de que sem Deus nada vale a pena ser feito. A paixão foi colocada à prova, alguns não permaneceram, porém a maioria perseverou a despeito da intensidade dos desafios e das lutas. Quanto aos sonhos, alguns tiveram que morrer para dar lugar a outros bem mais elevados. Este não é o fim, mas o início de uma longa e nova caminhada repleta de possibilidades. A grande e maravilhosa oportunidade de ser de fato um discípulo de Cristo, tornando-o conhecido não apenas através das palavras ou das artes, mas, sobretudo, através de um estilo de vida mergulhado na verdadeira humildade.”

Por Helena Tannure (http://blog.clube700.com.br/)

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Tempo de Decisão...




Certamente quando não tomamos uma decisão, alguém toma por nós!
Então há uma escolha a fazer, buscar entender qual decisão a ser tomada, ou seja, assumi responsabilidades ou apenas ficar sendo guiado por circunstâncias!

Em meio as problemáticas que vivemos, precisamos ter consciência do nosso papel e agir com sabedoria. Temos a Palavra de Deus, que nos garante direcionamento em meio ao processo. Temos conselheiros, pessoas as quais confiam e que são referenciais de santidade e caráter.

Sim, mas em meio a tudo isso que sabemos, ainda há um grito: Qual a melhor decisão a ser tomada?

Será que é necessariamente o que me dá prazer;
Será que é simplesmente esperar que as coisas aconteçam naturalmente;
Será que é temendo e usando a desculpa de “esperar”;
Será que é julgando os outros e suas condutas;
Será que é agindo por impulso;
Será que é buscando em relacionamentos humanos;
Será que é fugindo da responsabilidade...

Bom, podemos até dizer que não é nenhum desses “serás”, mas é o que muitas vezes fazemos, hum e até criamos álibi para isso!

Que a nossa vida não seja medida por conseqüências das nossas escolhas e sim pela certeza de que estamos no centro da vontade de Deus para nossas vidas!

Como já dizia o AV, temos uma escolha a fazer: Desistir ou Crer?

Isso vai ser parte de todo o processo de nossas vidas, então busque a sabedoria de Deus, para que suas escolhas sejam sabias e coerente com o testemunho cristão!

Com amor,

Miss. Polly Silva